Conheça os 5 tipos de madeiras nobres

Não é nenhuma novidade que a madeira está presente nos mais variados setores de nossas vidas na atualidade. Desde a produção de grandes meios de transporte até as pequenas coisas, a madeira está em tudo: na confecção de móveis, em determinados tipos de piso, na produção da tão comum folha de papel, nos mais variados tipos de lápis e muitas outras coisas. Mas você sabia que existem madeiras nobres

No meio de tantos aspectos comuns, engana-se aquele que acredita no velho papo de que madeira é tudo igual. A natureza dispõe de uma infinidade de tipos de madeiras, que diferenciam-se entre si dos mais diversos modos; pela cor, densidade, dureza, finalidade, durabilidade e mais muitos outros aspectos que compõem uma lista para lá de extensa de particularidades das madeiras.

Entre vários tipos de madeira, temos uma que se destaca sob todas as demais: as madeiras do tipo nobre. Mas afinal, o que essa madeira tem de tão especial que está sempre sob os holofotes, chegando muitas vezes até a ofuscar as outras? Calma, a gente te explica!

Conheça os 5 tipos de madeira nobre | Foto: Grupo Selva Florestal

O que são madeiras nobres?

As madeiras nobres são facilmente identificáveis e, só de bater o olho, você já consegue perceber que esse tipo de maneira não é qualquer uma. Elas são mais pesadas, mais densas e apresentam uma alta resistência ao ataque de organismos, como fungos e insetos, em razão de seus mecanismos de defesa inibidores dos ataques de organismos como esses, o que acarreta em uma madeira visivelmente mais forte e até mais bonita.

Quando o assunto é a utilidade de madeiras de tipo nobre, o que é mais legal, interessante e atrativo é a versatilidade que elas apresentam. Comumente utilizada para a área da confecção de mobílias e até adereços decorativos, as madeiras nobres têm uma particularidade quanto ao cheiro; ela é inodora, na maioria dos casos.

Outro aspecto interessante sobre a madeira de tipo nobre é que em alguns lugares podem referir-se à ela como madeira de lei, e o porquê disso acontecer está atrelado a fatores históricos. Tudo começou no período em que o Brasil ainda era uma colônia e vivia sob o governo da metrópole portuguesa, em um momento no qual as derrubadas e extrações de árvores nativas eram recorrentes. Apesar de tudo isso, os colonizadores que aqui estavam eram obrigados a pedir autorização para Portugal quando desejavam derrubar uma árvore, ou seja, dependiam de uma lei, por isso o termo “madeira de lei” se popularizou muito por aqui.

Mais uma curiosidade sobre as madeiras nobres é que o tão famoso Pau-Brasil foi a primeira árvore a ser classificada como madeira de lei, ou madeira nobre. 

Por serem tão populares e cobiçadas, a gama de madeiras nobres disponíveis no mercado é cada vez maior. Conforme dissemos, elas são muito comuns na confecção de móveis e na área de decoração no geral. Suas cores são marcantes e fazem diferença na comercialização, podem ser bege, amarelo, vermelho e marrom. Além disso, possuem uma aparência lisa e lustrosa, o que a torna uma queridinha no ramo da construção civil, arquitetura e decoração de ambientes de modo geral.

Fique por dentro de tudo sobre 5 tipos de madeiras nobres

Com tantas opções por aí, fica até difícil de se situar e entender qual o tipo de madeira nobre ideal para cada funcionalidade ou aparência. Pensando nisso, separamos uma lista com 5 tipos de madeiras nobres para você ficar por dentro de tudo desse universo e escolher o tipo que mais se adequa à sua necessidade.

1. Madeira nobre tipo Mogno

O topo desta lista é da madeira de mogno. A madeira nobre tipo mogno é muito conhecida no mercado madeireiro por conta de sua beleza e resistência. Ela apresenta uma coloração bastante específica e facilmente detectável, apresentando uma variação entre os tons de marrom-rosado, chegando até um tom de marrom-avermelhado.

O mogno é um tipo de madeira que tem uma tendência de escurecer com o tempo, mas em contrapartida tem um brilho muito único e extremamente atrativo. Quando falamos das características protagonistas da madeira nobre de tipo mogno, não podemos deixar de falar sobre a beleza sem igual que o material apresenta e da facilidade em ser trabalhada e manuseada.

Além disso, é muito importante atentar-se às ramificações do tipo mogno de madeira nobre. Há duas mognos que ganham notoriedade: o mogno brasileiro e o mogno africano. Cada uma delas tem questões a serem tratadas.

Quando falamos do mogno brasileiro, é impossível não tratar da constante degradação que está sendo feita. O mogno brasileiro está correndo um sério risco de extinção devido à exploração predatória da madeira e também por conta do constante ataque de pragas que sofre. 

Já quando falamos do mogno africano, o cenário é totalmente oposto. Esse tipo de madeira nobre está ganhando cada vez mais notoriedade no mercado internacional e vem sendo apelidada, de uns tempos para cá, de novo ouro verde.

2. Madeira nobre tipo Ipê

A madeira ipê é de longe uma das mais conhecidas. Ela é, como o próprio nome diz, proveniente da árvore Ipê, que cresceu exclusivamente na América Latina e América Central, sendo assim, é extremamente popular no Brasil.

A madeira proveniente da árvore Ipê destaca-se por sua dureza. Ela é uma das madeiras mais duras do mercado, comparado por muitos com a dureza do aço, dá para acreditar? Além da dureza, suas características mais notórias são a força e a densidade, que são ambas em níveis muito altos, a durabilidade da madeira, ou seja, ela envelhece mantendo sua beleza, não é um tipo de madeira que traz muitos problemas com o tempo, e por último, a alta resistência aos parasitas e à umidade.

Justamente essa resistência inigualável da madeira nobre tipo Ipê é o que a torna ideal para ser usada em ambientes externos. Podemos encontrá-la até em formato de vigas, esquadrias, forros, tábuas, tacos, pisos, escadas, pontes e muitas outras aplicações também.

3. Madeira nobre tipo Jatobá

Entre todos os tipos de madeiras nobres disponíveis no mercado, sem dúvida alguma a do tipo jatobá é bem popular. De forte valor agregado por sua durabilidade, é muito utilizada no ramo de decoração de ambientes internos, mas também em pisos e móveis. 

A madeira tem coloração marrom-avermelhado, podendo também apresentar uns tons um pouco amarelados em alguns casos mais particulares. Falando das demais características, o jatobá é uma madeira inodora e que sofre pouco com a ação do tempo. A densidade é alta, o que torna o material resistente e com uma tendência grande a isolar acusticamente o ambiente onde ele é colocado, dependendo do modo de aplicação.

Quanto ao brilho, a madeira jatobá tem a tendência de ser pouco lustrosa e isso pode torná-la facilmente maleável, pois não é difícil trabalhar com esse material. Além disso, a jatobá é de extrema resistência a fatores externos, como ação do clima ou até mesmo ação do tempo.

4. Madeira nobre tipo Jacarandá

A madeira nobre tipo Jacarandá é proveniente de uma árvore tipicamente brasileira, que pode ser encontrada na Mata Atlântica do sul da Bahia e no estado de São Paulo. As árvores são do gênero Dalbergia e podem chegar a até 12 metros de altura.

Considerada a madeira nacional mais valiosa e bela, a Jacarandá está sob proteção de leis ambientais e, por isso, é considerada uma madeira rara e cara. Vale lembrar que além disso, desde o período colonial do Brasil, ela já era um tipo de madeira muito conhecida e cobiçada.

Entre suas principais características, destaca-se o aspecto insípido e inodoro da madeira, sua rica coloração, que varia entre os tons de marrom-escuro ao marrom-rosado, sua resistência, que é altíssima, e sua longa durabilidade ao longo do tempo; ela é uma madeira extremamente resistente.

Por conta de toda sua fama e de seus aspectos belíssimos, a madeira nobre de tipo Jacarandá tem uma vasta utilidade. Suas aplicações vão muito além de mobiliário ou decoração, como é o clássico das madeiras nobres. A jacarandá já foi muito utilizada na produção de instrumentos musicais, principalmente violão. Além disso, elas estão presentes em adornos de joias, folhas decorativas, assoalhos, portas, quilhas de barco, entre muitos outros usos.

5. Madeira nobre tipo Peroba Rosa

Por fim, a madeira nobre tipo peroba rosa é proveniente de uma árvore nativa da Mata Atlântica brasileira, mas que também pode ser encontrada em regiões como Argentina, Paraguai, Peru e Colômbia. A árvore pode chegar a até 20 metros de altura e ter um diâmetro capaz de variar entre 30 centímetros e 1 metro e 20 centímetros.

Um dos grandes destaques desse tipo de madeira nobre diz respeito à coloração. A peroba rosa tem um tom único que transita entre os tons de amarelo, rosa-avermelhado, além do típico marrom, o que a torna extremamente atrativa e diferente das demais. Contudo, é sempre importante ressaltar que assim como é o caso da maioria das madeiras, ela tem a tendência de escurecer com o tempo.

Além do grande destaque que a coloração da madeira traz à peroba rosa, outras características também fazem total diferença nesse tipo de madeira nobre. A peroba rosa é uma madeira extremamente densa e pesada, o que, no momento do tratamento do material para utilização, acarreta em um acabamento impressionante quando lixada.

Ademais, ela é uma espécie de madeira muito fácil de ser tratada, seja no processo de serragem, torneamento ou colagem. Tudo isso fornece uma madeira de extrema durabilidade e resistência a intempéries.

Com todas essas qualidades, a madeira nobre de tipo peroba rosa pode ser utilizada em uma infinidade de coisas: nas estruturas internas de construções ou nas externas, como em vigas, madeiramento para telhado, pisos, decks e muitos outros. 

 Como conservar e cuidar de madeiras nobres

Agora que você já entendeu a diferença entre as madeiras comuns e madeiras nobres e conheceu mais a fundo 5 tipos de madeiras nobres, está na hora de falarmos sobre a conservação desses materiais. Se você tem móveis de madeira nobre ou faz uso dela na decoração, aqui vão algumas dicas preciosas para mantê-las bem cuidadas e conservadas, para que estejam sempre o mais bonitas possível.

Uma prática que parece simples, mas que pode fazer uma diferença gritante é manter o móvel de madeira nobre longe de umidade. A madeira e a água são dois elementos que não combinam nem um pouco. Um ambiente úmido pode propiciar propagação de fungos que causam mofo e bolor e degradam completamente a superfície. O ideal é tentar manter móveis de madeira a uma certa distância das paredes e de umidade de um modo geral.

Seguindo a mesma linha de pensamento da umidade, outro fator que contribui, e muito, para a degradação da madeira é o excesso de luz e consequentemente, calor do sol. A exposição excessiva de um móvel feito de madeira nobre ao sol pode ser prejudicial para o seu acabamento. Muito calor e luz forte causam o desbotamento da madeira, acarretando em uma aparência mais envelhecida para a peça.

Uma última prática que pode transformar a vida útil de seu utensílio produzido a partir de madeira nobre é criar o hábito de utilizar óleo ou cera para conservar móveis. É claro que, nesse caso, estamos falando de produtos específicos para móveis. Esses dois produtos podem ajudar bastante na conservação do acabamento da madeira. O ideal é aplicar ou o óleo, ou a cera, nunca os dois, nos móveis de madeira nobre com um pano macio, com o intuito de lustrar e fazer a manutenção da mobília, sem correr o risco de riscar ou fazer algum arranhão na superfície. 

Por último, é muito importante frisar que a exploração excessiva de madeira, seja ela nobre ou até mesmo a normal, acarretará em consequências gravíssimas para os ecossistemas como um todo. Incentive o reflorestamento e use madeiras nobres e comuns com consciência, sem dúvida nenhuma, isso fará uma grande diferença no presente e no futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *