Entenda porque mogno africano está tão em alta e é considerado a madeira do futuro

Um dos materiais mais utilizados pela humanidade desde o início dos tempos, a madeira ainda hoje está muito presente ao nosso redor. Seja em portas, armários, escrivaninhas, até lápis, não é difícil enxergar por que o comércio de madeira é um dos mais promissores no Brasil e no mundo. Nesse contexto, muitos se perguntam: qual a madeira do futuro

Caso você busque comercializar madeira, tenha em mente que qualidade é um dos principais fatores para garantir um bom rendimento de vendas. Conciliar isso com a legislação rigorosa do mercado madeireiro pode ser uma tarefa árdua e complicada.Pensando nisso, o Grupo Selva Florestal preparou esse guia com tudo que você precisa saber sobre o mogno africano, e os motivos pelos quais essa madeira tem aparecido nos últimos tempos como um ótimo investimento. No nosso texto, explicaremos alguns dos principais motivos pelos quais o mogno africano é considerado a madeira do futuro. Vem com a gente!

Vamos abordar os seguintes tópicos:

  • Cultivo fácil e rentável
  • Versatilidade
  • Uma madeira nobre
  • Mogno africano e o plantio sustentável
  • Valorização internacional
  • No Brasil
  • Reflorestamento e sustentabilidade

Cultivo fácil e rentável

Desde já, o mogno africano é uma madeira cujo cultivo não tem muitas complicações; de fácil adaptação ao solo, a madeira também tem baixa vulnerabilidade a pragas e outras doenças, além de que, comparado com outras espécies mais nobres de madeira, o manejo e o cultivo como um todo do mogno é bastante simples. 

Dependendo dos seus objetivos e do ritmo de desenvolvimento da floresta, a maturação do mogno africano até a comercialização pode demorar de 15 a 20 anos. 

Ainda assim, durante o abate de árvores realizado periodicamente para a manutenção da floresta, já é possível beneficiar ou vender o “mogno-jovem” para serrarias, o que já traz certo rendimento antes do corte-raso da floresta propriamente dito.

Ainda mais, o investimento, além de viável, também é bastante rentável, trazendo alta taxa interna de retorno que, para a madeira beneficiada, pode variar entre 14 e 20 por cento, de acordo com o livro “Mogno africano — atualidades e perspectivas do cultivo no Brasil”.

Versatilidade

De antemão, não podemos deixar de mencionar que a versatilidade é um dos principais pontos positivos do mogno africano: sua madeira pode servir para a confecção de móveis, revestimentos e acabamentos, adornos e outros objetos e até mesmo na construção civil.

De tom castanho avermelhado e por vezes até rosado, o mogno africano também é uma madeira fácil de ser tonalizada, dando maior destaque ao aspecto final das peças criadas utilizando ela.

Uma madeira nobre

Com qualidade reconhecida por diversos arquitetos, marceneiros e designers há mais de 20 anos, tem sido inserida no mercado através de parcerias com diversas empresas e profissionais renomados no mercado. O Mahog Project é uma iniciativa da Associação Brasileira de Produtores de Mogno Africano (ABPMA) que contou com a criação de peças usando o mogno africano por diversos profissionais, tendo repercussão bastante positiva. Peças de mobília como cadeiras e mesas, fruteiras e outros itens podem ser conferidos na página do Instagram do projeto.

Ainda mais, vale ressaltar que a madeira também está sendo inserida no mercado através de parcerias com profissionais como Paulo Alves, que criou, junto com a Westwing. Além disso, o mogno também é exposto em vários eventos de relevância na área do design.

Mogno africano e o plantio sustentável

Antes de mais nada, uma das principais vantagens do mogno africano e um grande diferencial do cultivo dessa madeira é que tanto futuras extrações da floresta como o plantio em si são muito facilitados. Caso o plantio seja feito em áreas sem nenhum tipo de restrição, como áreas de reserva legal ou de preservação permanente, por exemplo, ou ainda áreas que necessitam de desmatamento para o plantio, não há necessidade de autorização prévia.

A única exigência da legislação é que o plantio seja informado aos órgãos ambientais do estado. Isso faz com que o plantio de madeiras como o mogno africano, que não são nativas do brasil, ou seja, são consideradas “exóticas”, sejam desburocratizados: isso facilita tanto a silvicultura como a comercialização.

Valorização internacional

O mogno africano também é uma madeira muito requisitada e apreciada em mercados internacionais, em especial o norte-americano, o europeu e o chinês. A madeira atende a diversas indústrias: automotiva, aeronáutica, naval, farmacêutica e, principalmente, mobiliária e de decoração. Muito disso se deve, como já comentamos, a versatilidade e durabilidade do mogno. 

Ainda mais, a madeira ainda tem se tornado, nos últimos dois anos, uma das espécies mais utilizadas no reflorestamento. Isso se deve ao crescimento rápido da árvore, que acelera a recuperação das áreas afetadas pelo desmatamento e, por consequência, a recuperação da fauna e da flora do local que as árvores estão sendo plantadas.

No Brasil

O mogno africano chegou no Brasil já há mais de quarenta anos: A espécie veio à terra tupiniquim pelo Ministro da Agricultura da Costa do Marfim em 1977, que  veio com uma comitiva com o objetivo de visitar a Amazônia. As sementes foram entregues para a Embrapa Oriental, em Belém do Pará, e de lá para cá o cultivo apenas continuou. Atualmente, as árvores plantadas com essas sementes estão entre as mais antigas do país.

Reflorestamento e sustentabilidade

Uma atividade sustentável, o reflorestamento pode, dentre outras coisas, aumentar a retenção de água pelo solo, recompor fauna sob ameaça em uma região, melhorar o microclima (clima dos arredores) da região onde o plantio é realizado, reduzir erosões e, acima de tudo, combater o desmatamento, evitando que mais e mais árvores sejam derrubadas e áreas de importância ambiental sejam degradadas.

Enfim, agora você já conhece o mogno africano e sabe um pouco mais sobre os benefícios do plantio e comercialização dessa que hoje é considerada por muitos como a madeira do futuro. Caso queira comercializar ou realizar o plantio de madeira, entre em contato com o Grupo Selva Florestal. Somos uma empresa fundada em 2006, com atuação em reflorestamento, produção de mudas, recuperação de áreas degradadas, comercialização de sementes, projetos técnicos na área agroflorestal.

Saiba mais sobre a madeira do futuro Mogno Africano com o Grupo Selva Florestal, em seu canal no YouTube e fique por dentro de tudo no mundo florestal. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.