Investimentos em madeira: por que tão vantajoso?

O investimento em madeira pode ser muito vantajoso para quem possui uma propriedade rural. Por isso, é essencial saber em quais tipos de madeira investir, e como você pode fazer para ter lucratividade no seu investimento tanto de madeiras comuns como de madeiras nobres. 

Se você pensa na ideia e quer saber um pouco mais sobre esse tipo de investimento, continue a leitura desse artigo recheado de dicas para você fazer ótimos investimentos em madeira. 

Investimento em madeira comum: vale a pena?

O investimento em madeira pode ser muito rentável I Foto: Freepik

A madeira comum, também conhecida como madeira reflorestada, é a mais produzida no Brasil, uma vez que as árvores que dão origem a esse tipo de madeira são de fácil cultivo, adaptação e rápido crescimento. 

Ela pode ser usada em grande escala na produção de celulose, papel, carvão, vassouras, lápis e até mesmo em móveis de menor qualidade. No entanto, a madeira comum também é menos resistente a pragas, como os fungos e cupins. Nesse sentido, ela mostra tendo um valor mais baixo no mercado.

Investimento em madeira: quais são os tipos de madeira comum?

Há dois tipos principais de madeira comum que são utilizadas para investimento por investidores e agricultores: a Madeira de Pínus e a Madeira de Eucalipto. Vejamos algumas das principais características desses tipos de árvore: 

1.Madeira de Pinus

A madeira de Pinus (Pinus Taeda, Pinus Elliottii,  Pinus Caribaea, Pinus Oocarpa e Pinus Tecunumanii são algumas de suas espécies) não é originária do Brasil. Ela vem da América do Norte, uma vez que ela está presente em grande escala na Ásia, América do Norte e Central  e na Europa. Por ser uma espécie que não é nativa do país, ela ajudou a substituir a retirada e exploração de outras plantas, como as Araucárias. 

Crescimento

Esse tipo de madeira é retirada em grande escala, uma vez que é uma árvore de rápido crescimento. Isto é, uma árvore dessa espécie permite o primeiro desbaste, ou seja, o primeiro corte, em torno de 6 ou 7 anos e termina seu crescimento por volta dos 15 anos. Por isso, é bastante explorada na área de construção civil, na indústria de móveis, embalagens, palitos, brinquedos, dentre outras diversas peças. 

Algumas das características mais específicas dessa árvore é que ela pode atingir de 18 até 30 metros de altura. Possui o cerne e alburno com as cores branco e amarelo. Além disso, é um tipo de madeira que possui uma baixa densidade, apresentando uma textura muito fina, que facilita o corte por parte dos agricultores. Mas por outro lado, é pouco resistente. 

Para quem quer investir na madeira de Pínus deve saber que ela não é resistente à pragas e, por isso, deve ter um maior cuidado para produzir uma madeira de qualidade. A madeira pode ser frequentemente atacada por pestes como: fungos, cupins e brocas-de-madeira.

2. Madeira de Eucalipto

Originário da Austrália e de outros lugares da Oceania, a madeira de Eucalipto (Eucalyptus Citriodora) é muito mais resistente do que a madeira de Pínus e, por isso, é muito mais usada no ramo da construção civil, sendo utilizada para a construção de postes, vigas, assoalhos, além da indústria de móveis. 

Apesar de não ser originária do Brasil, o Eucalipto teve boa adaptação ao solo e ao clima brasileiro. Além disso, é uma madeira de rápido crescimento levando de 10 a  12 anos para o corte. Em casos de corte mais grosso, a espera pode ser de até 24 anos. Por essas características, a árvore é muito utilizada para reflorestar áreas que foram exploradas ilegalmente no Brasil. 

Resistência

Características mais específicas desse tipo de madeira é o seu alburno branco com tons amarelados, sem brilho e, de tom muito mais claro, o que permite que ela seja  usada para mais tipos de decoração e a faz possuir mais usabilidade para a produção de móveis. Diferentemente da árvore de Pinus, é uma madeira dura ao corte, sendo de extrema resistência. 

Também quando comparada à madeira de Pinus,  a madeira de Eucalipto é mais resistente à pragas, como os cupins, e ao apodrecimento. Possuindo esse diferencial, a madeira de Eucalipto é uma madeira comum que traz mais rentabilidade. 

Investimento em madeira comum: vantagens e desvantagens

Como todo investimento, há vantagens e desvantagens de se investir na madeira de Pinus e de Eucalipto. Para você entender melhor e decidir se é realmente vantajoso, listamos algumas das vantagens e desvantagens desse tipo de investimento em madeira de reflorestamento:

Vantagens

  • Rápido crescimento e, consequentemente, rápido corte para venda;
  • Madeira de Pínus é muito resistente à seca e baixas temperaturas;
  • Auxiliam no reflorestamento e, consequentemente, na redução do efeito estufa;
  • São madeiras que podem ser utilizadas para diversas áreas: desde a construção civil até a produção de brinquedos, por exemplo. Isto é, ela traz bastante rentabilidade para o produtor, uma vez que é muito procurada e possui diversas demandas. 

Desvantagens

  • Possui baixo valor no mercado, uma vez que é uma madeira de menor resistência e propensa a ataques de pestes;
  • Possui grande produção por parte de diversos agricultores, também diminuindo seu valor de venda, já que não é difícil de se comprar esses dois tipos de madeira;
  • Altos investimentos para baixo retorno na colheita. Exemplificando, no caso de uma madeira de Pínus, R$ 5 mil é o valor gasto para a plantação por hectare enquanto, em 5 anos, o seu retorno é apenas de R$ 13 mil para o agricultor;
  • A madeira comum possui altas taxas de tributação para importação do Brasil para países como Estados Unidos e partes da Europa. Enquanto países como o Chile não possuem nenhuma taxa de importação, principalmente para a madeira de Pínus.

Investimento em madeira Nobre

O investimento em madeira comum tem suas vantagens e desvantagens. Por isso, vale a pena você pensar também em um investimento que está ganhando um pouco mais de espaço no Brasil: o de madeiras nobres.

Apesar de extremamente lucrativas e valorizadas no mercado nacional e internacional, além de serem mais resistentes a pragas e doenças, o investimento em madeira nobre ainda não é muito conhecido por parte dos agricultores. Por isso, vale a pena conhecer quais os tipos de madeira nobre se você estiver pensando em um alto investimento a médio e longo prazo.

Espécies

A madeira nobre está presente em espécies que são puramente brasileiras como: 

  • Pau-brasil (Caesalpinia echinata);
  • Cedrinho (Erisma uncinatum);
  • Acácia (Acacia mangium);
  • Peroba rosa (Aspidosperma polyneuron) e o Jequitibá (Cariniana legalis);
  • Espécies exóticas, como o Cedro Australiano (Toona ciliata); a Teca (Tectona grandis); e o famoso Mogno Africano (Khaya spp.).

Mogno Africano

A madeira do mogno africano é uma das que mais têm sido mais rentáveis e buscadas para investimento como madeira de florestas nobres. Isso porque a espécie, proveniente de diversos países da África, substituiu a exploração do mogno brasileiro e passou a ter legalidade na sua plantação e comércio no Brasil. E não só isso, como também o fato do  mogno africano ser muito mais resistente a pragas e doenças que o mogno brasileiro.

Além disso, a madeira nobre exótica têm se destacado em relação à madeira nobre nativa, uma vez que: investir no plantio de madeira nobre e exótica como o mogno africano é garantia de  rápido crescimento e rentabilidade, sendo mais rápido ter uma colheita do que uma madeira nobre nativa. Sendo assim, o mogno africano pode ser cortado em torno dos seus 18 anos para a venda; 

 Os investimentos em madeira exótica também são vantajosos, uma vez que, há uma alta procura pela madeira nobre nativa, vindas da Amazônia, mas também há uma intensa exploração ilegal dessa madeira. Logo, o plantio de madeira nativa se torna mais rigoroso e inspecionado pelos órgãos locais de fiscalização.

Como tornar seu investimento em madeira nobre rentável?

Antes de pensar nas inúmeras vantagens do plantio da madeira nobre, cabe a adoção de algumas dicas para que seu investimento valha a pena. 

Solo

A primeira delas é: avalie o solo a ser plantado. Faça a análise do solo e o clima necessário para cada tipo de árvore. Esse tipo de análise pode ser feita em laboratório e serve para aplicar nutrientes necessários ao solo para que você possa ter um plantio de qualidade. 

Prazo

Após, avalie o prazo que você terá para colheita daquela madeira nobre. Uma dica é plantar madeira que você vai ter um prazo aceitável de crescimento, como em torno de menos de 25 anos, como é o exemplo do mogno africano. 

Leve em consideração em quais momentos você fará o primeiro desbastes das árvores, quando essas árvores já estarão maduras biologicamente e o quanto você vai gastar para financiar a produção de uma madeira nobre. Fique atento também às demandas do mercado e o que se é considerado “nobre” com o passar dos anos.

Plantação

Busque fazer a plantação entre as mudas em um espaço de 3×2 metros quadrados, o que equivale a 1.666 árvores por hectares. Quando você adota esse espaçamento, as árvores competirão entre si por nutrientes, água e iluminação e, para além disso, crescerão de forma mais vertical. Se você usa esse espaço, a tendência é fazer desbastes (cortes) com maior frequência para implantação de outras mudas. 

Assim, como veremos, apesar de todo um cuidado, o investimento e o retorno do plantio de madeiras nobres são muito maiores. 

Investimento de madeiras nobres: por que escolher o Mogno Africano?

Como foi dito, a rentabilidade do mogno africano é extremamente grande no Brasil, atraindo produtores e investidores que buscam uma madeira de alta qualidade. Assim sendo, um hectare de madeira de mogno africano chega a render 18% ao ano. 

Retorno

Além disso, você tem um retorno de investimento rápido quando comparado com espécies nobres nativas. Segundo a Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ), o retorno da madeira do mogno africano chega a ser 10 vezes maior que a produção de eucalipto, por exemplo.

Legal

E não só isso: além de preservar o mogno brasileiro, ameaçado de extinção, o mogno africano é totalmente legalizado para plantio e mais resistente a pragas e doenças, o que poupa o agricultor de gastar dinheiro com formas de lidar com essas pragas. 

O da espécie Khaya senegalensis, conhecido popularmente como mogno rústico, além de poder ser plantado na maioria das regiões do Brasil, por ter tido uma fácil adaptação com o solo e com o clima favorável, tem a rentabilidade estimada de R$ 370.000 por hectare quando investido.

Lucro

O madeira de mogno também tem uma grande lucratividade mesmo no desbaste. Conhecido como mogno jovem, você consegue diversas formas de lucro dentro do mercado ainda no primeiro corte. Uma forma é o uso dessa madeira jovem para a construção de móveis luxuosos feito por designers. Esses tipos de móveis são levados para todo mundo com a intenção de aumentar o mercado consumidor e a produção de mogno africano no Brasil.  

Nesse sentido, ainda que você espere cerca de 16 anos para colher a madeira de mogno final, você pode ter investimento e rentabilidade antecipadamente. A venda do mogno jovem para a produção de produtos luxuosos e a valorização de uma propriedade rural que aposta no plantio de madeira de mogno é muito grande.

Investimentos em madeira: Comum x Nobre

O investimento em madeira é uma forma rentável e vantajosa quando se sabe como investir. Assim sendo, sabendo um pouco mais sobre os tipos principais de madeira comum e os tipos de plantio de madeiras nobres, principalmente, a do mogno africano passa a depender de como cada investidor vai direcionar seus investimentos. 

No entanto, ainda que a madeira comum, isto é, a reflorestada, tenha diversos tipos de aplicações, é mais barata e cresce muito mais rápido, sendo extremamente vantajosa para demandas ágeis. Se você quer realmente investir e ter uma boa lucratividade a médio ou longo prazo, as madeiras nobres são melhores e possuem mais vantagens quando comparadas.

Madeiras nobres como o mogno africano, que possui diversos benefícios em solo brasileiro e internacional para produtos luxuosos, tem seu valor no mercado por metro cúbico a partir do 17º de até R$ 3.685,70 enquanto o metro cúbico de Eucalipto, por exemplo, é vendido  a R$ 77,50, alcançando os 6 anos após o plantio. 

Apesar de terem um tempo de plantio mais longo, com um bom investimento, as madeiras nobres, como o mogno africano, trazem boa rentabilidade futuramente. 

Se interessou? Agende já a sua consultoria para plantio no Grupo Selva Florestal e aproveite os investimentos em madeira conosco nesse mercado extremamente vantajoso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *