O Mogno Africano Já Pode Ser Considerado A Madeira Do Futuro? Entenda Mais Sobre O Assunto

Compartilhe essa postagem

Com o aumento da preocupação ambiental e a busca por alternativas sustentáveis, muitas pessoas estão se perguntando: será que a madeira do Mogno Africano pode ser considerada como a madeira do futuro? Essa é uma questão interessante, e podemos analisar diversos aspectos para tentar responder a essa pergunta.

O Mogno Africano, como já explicamos em vários posts do blog, é uma espécie de árvore muito valorizada, especialmente devido à qualidade de sua madeira. Além disso, essa espécie tem um rápido crescimento, o que pode torná-la uma opção mais sustentável do que outras madeiras nobres, que podem levar décadas ou até séculos para atingir a maturidade.

Para quem procura fazer um bom investimento a longo prazo, o Mogno Africano pode ser uma opção. O lucro líquido da derrubada final das árvores é de R $500 mil por hectare, com taxa interna de retorno de 12% a 15% ao ano.

Se você quiser saber mais sobre esse investimento fora do mercado financeiro, sua rentabilidade e como entrar no negócio, confira o texto abaixo! Vamos explicar de forma detalhada sobre o que é o Mogno Africano e como ele tem sido um ótimo investimento no mercado de madeiras.

Conheça o Mogno Africano: a madeira do futuro e seu valor financeiro. | Foto: Grupo Selva Florestal.

Conheça o Mogno Africano

O mogno africano chegou ao solo brasileiro na década de 70, mas só se espalhou por meio de plantios experimentais popularizados em várias regiões do Brasil nas décadas de 80 e 90. As maiores plantações estão concentradas no estado de Minas Gerais, Goiás e São Paulo.

O mogno africano é amplamente comercializado no mercado internacional, principalmente através do mercado europeu. Seu cultivo comercial é considerado um investimento de longo prazo para quem busca ampliar sua riqueza ou como plano de aposentadoria.

Antes de plantar esta espécie para produzir madeira valiosa, recomenda-se algum manejo de qualidade para maior retorno financeiro.

A madeira é uma das matérias-primas mais utilizadas pelo homem há muitos anos. Se o seu objetivo é comercializar aquele produto, você já sabe que qualidade é um valor inegociável para alto volume. Também entende a necessidade de seguir uma legislação rigorosa para desenvolver o mercado madeireiro. No final, você percebe como é difícil coordenar todos esses fatores.

Bem, é por isso que você precisa saber mais sobre o mogno africano. A madeira dessa espécie é considerada um ótimo investimento por vários motivos, e neste artigo vamos explicar cada um deles. Verifique!

A versatilidade do Mogno Africano foi um dos principais fatores que fizeram com que essa variedade fosse escolhida para cultivo no Brasil. Sua madeira é utilizada como insumo para:

• Fabricação de móveis;

• Criar decorações e objetos;

• Levante;

• Pisos e acabamentos.

Com tons de rosa e marrom-avermelhado, é uma madeira fácil de tonificar e obter um ótimo acabamento. Isso confere ao visual final da peça criada uma estética diferenciada.

Além disso, a qualidade do mogno africano tem sido reconhecida por carpinteiros, designers e arquitetos desde meados dos anos 2000. Por exemplo, a Associação Brasileira dos Produtores de Mogno Africano (ABPMA) convidou diferentes profissionais para confeccionar peças de mogno africano, o que teve um impacto muito positivo no setor.

Eventos importantes e projeções internacionais na área do design, como a Casa Cor, sempre apresentam uma variedade de eletrodomésticos feitos de madeira, e muitos profissionais utilizam o mogno para criar ambientes que valorizam toda a sua beleza, durabilidade e qualidade.

Por fim, várias empresas estão trabalhando com profissionais estabelecidos no mercado para incorporar ainda mais o mogno africano em seus produtos. Um exemplo é a linha que Paulo Alves criou com a Westwing. Peças em madeira são a cadeira Bo, em homenagem a Lina Bo Bardi, o banco Samba e a mesa Jô.

O mogno africano diferencia-se principalmente pelo potencial de facilitar novos plantios e exploração futura dessas florestas, pois não é necessária autorização prévia se o plantio for realizado em áreas sem restrições/barreiras, por exemplo, reservas estatutárias, reservas permanentes ou Áreas que requerem desmatamento para plantio.

Tudo o que a legislação exige é a troca de plantio com os órgãos ambientais estaduais. Assim, as plantações de madeiras exóticas (não nativas do Brasil) desburocratizar, o que facilita todo o processo de arborização e comercialização.

Outro ponto positivo é que o mogno é uma madeira muito popular nos mercados europeu, norte-americano e chinês. Como mencionado acima, sua versatilidade e durabilidade tornam essa matéria-prima muito procurada nesses locais, atendendo as indústrias moveleira, decoração, automotiva, aeronáutica, farmacêutica e naval.

Segundo recente publicação da Embrapa, o mogno africano tornou-se uma das espécies preferidas dos trabalhadores de reflorestamento. O crescimento relativamente rápido das árvores permite que as áreas degradadas se recuperem em menor tempo, o que é benéfico para a recuperação da flora e fauna vegetal e animal.

O reflorestamento é uma atividade sustentável cuja realização ajuda:

  • Melhorar o microclima da área de cultivo;
  • Aumenta a retenção de água no solo;
  • Reduzir a erosão;
  • Reorganizar a fauna da área;
  • Evitar que a madeira nativa seja derrubada e novas áreas degradadas.

Com todos esses benefícios, o mogno africano não é mais uma tendência, mas domina a silvicultura brasileira.

No entanto, para responder à pergunta sobre se o Mogno Africano pode ser considerado a madeira do futuro, é importante avaliar também a sustentabilidade do seu cultivo e exploração. Infelizmente, como acontece com muitas espécies valiosas, o Mogno Africano já foi alvo de exploração excessiva e práticas insustentáveis de cultivo.

Para que essa espécie possa ser considerada realmente a madeira do futuro, é preciso investir em práticas sustentáveis de cultivo e manejo, garantindo que a exploração seja feita de forma responsável e em equilíbrio com a preservação do meio ambiente. Isso envolve desde a escolha da área de plantio até a utilização de técnicas de manejo adequadas e a adoção de práticas de recuperação de áreas degradadas.

Mogno Africano: Rentabilidade e cultivo

A rentabilidade é um aspecto fundamental para qualquer negócio, e com o cultivo de Mogno Africano não é diferente. Muitas pessoas podem se perguntar se é realmente vantajoso investir nessa espécie de árvore, levando em consideração os custos envolvidos e o tempo necessário para a maturação.

Questões estéticas à parte, existem outros aspectos do mogno africano que o tornam um bom investimento para os produtores brasileiros, como:

  • Fácil de adaptar ao solo;
  • Baixa incidência de pragas e doenças;
  • Cultivo e manejo simplificados em comparação com outras espécies de folhosas.

A maturação das espécies para comercialização da madeira processada leva de 15 a 20 anos, dependendo dos objetivos do produtor e do desenvolvimento da floresta. No entanto, durante o desbaste para manutenção da floresta, a madeira (chamada “mogno jovem”) já pode ser vendida para serrarias ou beneficiada, o que ajuda os silvicultores a terem alguma renda antes de desmatar a floresta.

A viabilidade e rentabilidade desse investimento também tem uma alta taxa interna de retorno, variando de 14% a 20% para madeira beneficiada, segundo dados do livro Mahogany – Africa – Brazil Planting Current Affairs and Prospects. % between” publicado pela Embrapa e superior à maioria das opções de renda fixa do mercado.

O Serviço Florestal Brasileiro estima que, até 2030, o país terá uma escassez anual de madeira de lei tropical de 16 milhões de metros cúbicos. Para atender a essa demanda, 50 mil hectares precisam ser reflorestados a cada ano. No Brasil, porém, estima-se que as plantações de espécies tropicais duras sejam inferiores a 3.000 hectares por ano.

Cerca de 1.000 hectares de mogno africano são cultivados anualmente. O Brasil ainda está longe de atender a demanda existente. Desde que a espécie foi introduzida no país na década de 70, temos apenas cerca de 60.000 hectares plantados com esta árvore, incluindo plantações organizadas, consórcios e pequenas iniciativas em todo o país.

No entanto, é importante lembrar que o cultivo de Mogno Africano exige um investimento inicial significativo, tanto em termos de recursos financeiros quanto de tempo e esforço. É necessário escolher uma área adequada de plantio, preparar o solo, adquirir mudas de qualidade, investir em boas técnicas de manejo e garantir a proteção contra pragas e doenças.

A grande demanda pelo mogno africano se deve à sua valiosa madeira, que possui uma rara estética vermelha, além de ser resistente a pragas e doenças durante o plantio.

Então, agora que entendemos mais sobre a possível posição do Mogno Africano como a madeira do futuro, podemos concluir que essa é uma questão que envolve muitos aspectos. Por um lado, temos a qualidade e a versatilidade dessa espécie, que a tornam uma opção muito interessante para diversos usos. Por outro lado, precisamos levar em consideração a sustentabilidade do seu cultivo e exploração, para garantir que a utilização dessa madeira não prejudique o meio ambiente.

Felizmente, podemos contar com a expertise da Selva Florestal, que não só oferece serviços de consultoria e produção de mudas de Mogno Africano, mas também se preocupa em incentivar práticas sustentáveis e responsáveis de cultivo e manejo da espécie. Dessa forma, podemos investir no Mogno Africano com a tranquilidade de que estamos contribuindo para um futuro mais sustentável e consciente.

Portanto, se você está pensando em investir em Mogno Africano ou em outras espécies de árvores nobres, lembre-se de escolher uma empresa que tenha compromisso com a preservação ambiental e que possa oferecer orientações e suporte para que você possa cultivar e explorar essas espécies de forma responsável. A Selva Florestal é uma excelente opção nesse sentido e está pronta para ajudar você a construir um futuro mais verde e sustentável.

Grupo Selva Florestal

Quer saber mais sobre o Mogno Africano e outros tipos de madeira a serem investidas? Conheça o Grupo Selva Florestal e fique por dentro deste mercado!

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba todas as atualizações do nosso site

Leia mais sobre a Selva Florestal