Qual é a maior floresta do mundo?

Desde sempre ouve-se sobre a importância da floresta para o planeta e para o ser humano. Porém, muitos fatos acabam sendo esquecidos. As florestas abrigam grande parte da biodiversidade do planeta, tanto da fauna quanto da flora, além de nos proporcionar melhor qualidade de vida. A floresta Amazônica, por exemplo, ainda é o lar da maior parte da população indígena do Brasil. São mais de 180 povos indígenas, que ocupam boa parte da área, que representa 21,5% da Amazônia Legal (área que abrange nove estados brasileiros).

As florestas tropicais também são chamadas de florestas úmidas | Foto: Unsplash

Existem diferentes tipos de florestas: tropicais, equatoriais, boreais, temperadas e savanas. Nas florestas tropicais —  que é o caso da floresta Amazônica — encontramos árvores altas, temperaturas médias (em torno de 20ºC) e chuvas frequentes. Apesar de possuir uma grande variedade de plantas e árvores, o solo é considerado pobre. Tanto a fauna como a flora das florestas tropicais dispõem de espécies de animais e plantas existentes somente em florestas úmidas. O Brasil é privilegiado e reconhecido por ser o lar (em maior parte) da floresta Amazônica. 

​As florestas abrigam diferente espécies de animais | Foto: Unsplash

A importância das florestas para o mundo

As florestas são essenciais para o meio ambiente e consequentemente para a população. Elas desempenham funções muito importantes também para a economia. Além da melhoria na qualidade de vida, as florestas fornecem recursos naturais, como plantas medicinais, recursos madeireiros e elas têm importância até para o turismo. Também são responsáveis por dois terços de toda a biodiversidade do mundo.

Saiba todas as floresta notícias aqui | Foto: Unsplash

Quando pensamos em floresta, automaticamente surge a imagem de árvores em nossa mente, já que essa é sua principal “característica”.  Existem inúmeros tipos de árvores espalhadas por todo o mundo, mas uma, em especial, ainda é desconhecida por muitos: trata-se do mogno. Esta árvore foi inicialmente considerada um tipo de cedro, mas em 1759 foi classificada como “Cedrela Mahogany”. 

É conhecida como uma espécie exótica, da qual é possível extrair madeira nobre. Ela é cultivada em todo o mundo, o que acabou gerando variedades diferentes de madeira de mogno. Atualmente, existem seis principais tipos, sendo o mais conhecido o mogno africano.

Características do mogno africano

É uma árvore que varia entre 30 e 40 metros de altura e possui um tronco de três a cinco pés de diâmetro. A madeira de mogno africano pode ser facilmente moldada e ao mesmo tempo é extremamente dura. Por este motivo, a madeira é muito utilizada para móveis finos. A cor da madeira do mogno africano (assim como os outros tipos de mogno) tende a escurecer com o tempo. 

O mogno africano teve uma boa adaptação ao clima brasileiro, já que o clima do Brasil é semelhante ao clima de sua origem. 

Mogno africano ainda em crescimento | Foto: Grupo Selva Floresta

Plantando um mogno

A árvore não exige muita fertilidade do solo e consegue se desenvolver bem em solos profundos, de textura média. Uma árvore de mogno leva até 25 anos para atingir a maturidade total e é considerada uma árvore de crescimento rápido. 

Caso você decida plantar as sementes, deve deixá-las de molho em água por no mínimo 12 horas antes de plantar. A melhor época para plantio é no início das chuvas em sua região. Segundo especialistas, o ideal é plantar as sementes em um grupo de três ou mais, garantindo, assim, pelo menos uma árvore saudável. Caso seja necessário, você pode contar com nossa consultoria para plantio

Investindo na plantação

Em Roraima, um empresário investe desde 2017 na plantação de mogno. A meta é plantar 24 mil hectares em 10 anos e abrigar no Brasil a maior floresta de mogno do mundo, já que atualmente a maior encontra-se na Austrália, com 15 mil hectares. A produção será 100% destinada ao mercado internacional.

A taxa de retorno desse tipo de investimento atrai produtores e investidores, apesar do investimento ser de longo prazo, por conta do tempo que as árvores levam para crescer e atingir o tamanho ideal para corte.

Curiosamente, o escritor e psiquiatra Augusto Cury já foi o maior cultivador de mogno africano no Brasil. Em 2018, ele possuía uma plantação de 600 hectares em Prata, Minas Gerais. O escritor contou ao Globo Rural que começou a investir em reflorestamento em 2005, quando comprou propriedades rurais no Triângulo Mineiro.

Mudas da Selva Florestal, espécie “Khaya Senegalensis” | Foto: Grupo Selva Florestal

Curiosidade

Existem diversas empresas que utilizam o mogno africano em suas produções, uma delas é a Tramontina. Através do mogno, a empresa cria desde móveis de luxo até utensílios domésticos. No catálogo, você encontra sofás de madeira, tábuas, utensílios para cozinha e churrasco, mesas e muitos outros produtos desenvolvidos com o mogno africano.

Quanto mais aprende-se sobre os tipos de floresta e o tamanho da sua importância para inúmeras esferas, mais entende-se a necessidade de preservá-las, ou ainda, reconstruí-las. E é por isso que nós, do Grupo Selva Florestal, atuamos fortemente no reflorestamento e na recuperação de áreas degradadas. Tudo isso com muita paixão e determinação, desde 2006. Cada muda que produzimos carrega um significado e a necessidade de cuidar do que é nosso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *